Teddy Bear - English for kids and teens - Inglês especializado para crianças e adolescentes

VOLTAR

MARçO / 2017 Falar inglês: competência para conectar-se com o mundo


A aluna Bárbara Espírito Santo conta como está sendo sua experiência fora do país e fala da importância que o inglês tem para quem quer vivenciar outras culturas.

TN: Você formou-se na Teddy Bear em 2008. Que análise você faz da sua fluência no inglês?
Eu vim para Dresden, na Alemanha, em abril do ano passado. O bom de falar inglês é que isso não te deixa sentir-se excluída... Quando conversava num grupo, eu não precisava sorrir e fingir que tinha entendido a conversa porque eu estava entendendo tudo de verdade. Com o inglês, eu pude me integrar de maneira real, mesmo sem falar alemão.

Aliás, o inglês é a chave para eu ter ficado na Europa. O português, embora europeu, não é muito falado na Alemanha e o inglês me ajudou em muitos aspectos: abrir conta no banco, alugar um apartamento, receber os móveis... Enfim, dá pra fazer tudo com inglês aqui.

Antes disso, eu já tinha tido a oportunidade de vivenciar a cultura americana. Quando eu era adolescente, fiz 2 intercâmbios de férias na California. Depois, durante meu curso de graduação na federal de Santa Catarina, estudei 1 ano na New School, em Nova York (Major: Architectural Design / Minor: Urban Design). A New School é uma escola internacional e 40% dos alunos são de outras nacionalidades. Lá, todos nós somos submetidos a uma prova de proficiência para detectar se é necessário fazer aula de gramática ou oratória. Com o inglês que eu levei da Teddy Bear, não precisei fazer reforço ou aulas extras porque já me comunicava bem.

“Uma coisa que lembro bem nas aulas da Teddy Bear, era a preocupação com a parte da fluência cultural. Não bastava o aluno saber usar corretamente a frase ou o verbo, era necessário que aquela situação fosse contextualizada, e isso ajuda muito quando saímos do país”.

TN: Quais as diferenças culturais mais impactantes para você?
Quando moramos fora do nosso país, o importante é estar com a mente aberta para as diferenças culturais e comportamentais. Os brasileiros são muito adeptos das “small talks” e podem estranhar se o caixa do supermercado ou o garçom não puxarem conversa (risos). Aliás, confesso que sinto muita falta de puxar conversa na rua, na fila do banco, etc.

Uma coisa que lembro bem nas aulas da Teddy Bear, era a preocupação com a parte da fluência cultural. Não bastava o aluno saber usar corretamente a frase ou o verbo, era necessário que aquela situação fosse contextualizada, e isso ajuda muito quando saímos do país.

TN: Conta pra gente, você sempre foi boa aluna?
Que nada! Eu entrei na Teddy Bear com 6 anos aproximadamente. Eu não queria ir pro inglês, fazia birra, achava que não precisava. Depois, “peguei gosto” e fiquei 10 anos.

Eu adorava as aulas na cozinha, as Cooking Experiences. Esta semana mesmo eu fui assar uma receita de Blueberry Muffins e lembrei dessas aulas. Foi lá que eu comecei a me interessar por cozinha.

Além disso, tenho amigos muito próximos que conheci nas aulas da Teddy Bear. São amizades que estarão conectadas comigo para sempre.

Sou muito agradecida à Teddy Bear não somente pela riqueza da parte linguística, mas também pela minha formação moral. A Teddy Bear é uma “escola” em todos os sentidos.

TN: Quais são seus projetos neste momento?
Atualmente, estou fazendo um intensivo de 6 horas diárias de alemão para cursar o mestrado em História da Arte. O inglês ajuda a aprender o alemão, são línguas muito próximas e é mais fácil compreender a estrutura da língua. Para o mestrado, é preciso ser fluente em 1 língua (português), falar alemão no nível C1 e inglês no nível B2 (código CEFR). Para aprender o alemão é preciso estar disposto a cometer erros, é preciso “se jogar”, arriscar, falar mesmo sem ter certeza.

Os alemães são muito receptivos e queridos e a maioria dos jovens fala bem o inglês. No meio acadêmico, os mais velhos também dominam a língua e é muito tranquilo conversar com todos.

TN: Que mensagem você deixaria para os atuais alunos da Teddy Bear?
Aproveitem! Aproveitem muito as aulas e a cultura que é transmitida nas aulas. Vivam os momentos intensamente porque eles vão gerar muitas lembranças boas.